quinta-feira, 30 de abril de 2009

Idiotice, estupidez e derivados

O que se faz quando se está cansado do mundo idiota, com seus habitantes idiotas, que só pronunciam pensamentos idiotas, e que ainda se proliferam através da procriação, numa demonstração mor de extrema idiotice?
Suicídio, diriam alguns. Genocídio, diriam outros.
A verdade é que estamos fadados a conviver com os desmantelos de seres passageiros. Passageiros por permitirem que sua existência nesta dimensão se vá, sem nenhum questionamento, nenhuma ideia reveladora. Nada.
Nada também é o que considero haver dentro deles. Um imenso invólucro do vazio.
Muitas vezes me sinto eu própria um espécime desses. Não pelos mesmos motivos, mas pelo simples fato da existência do ditado: "Diga-me com quem andas, que te direi quem és."
Não é para se sentir idiota e estúpido depois disso?
O problema reside justamente em como fugir deles, para assim tornar-se menos estúpido.
Mas é estupidez pensar que se pode fazê-lo.

2 comentários:

pensamentos do nada disse...

A dificuldade n reside em se isolar e questionar a vida e sim de participar da vida, ficar entre esses nos quais consideramos ignorantes.
O fato de vc kerer mudar,procurar por respostas a suas perguntas, respeitando os pensamentos alheios é q os diferencia dos outros.
Deve-se lembrar q tb n podemos ser prepotentes chamando tds de estúpidos,idiotas... nem sempre estamos certo das limitações das pessoas

Beatriz disse...

Nós odiamos nos outros, o que enxergamos em nós mesmo, mesmo sem perceber. No fundo, no fundo, me parece que somos criaturas tão bizarras quanto aquelas a quem julgamos.. nao achas? Beijos